quarta-feira, 4 de novembro de 2009

RASGUEI UMA PÁGINA AO MEIO… (1ª parte)

No passado dia 30 de Outubro, comemorou-se o Dia Nacional de Prevenção contra o Cancro da Mama. O Clube das Mulheres Beirãs deixa aqui o seu contributo com o testemunho de uma jovem beirã.

Anabela Ferreira, 34 anos, natural de Vouzela, nunca pensou transformar-se numa guerreira e lutar contra um mal tão avassalador: o Cancro da Mama.
Desde nova, Anabela nunca foi uma mulher acomodada. A uma dada altura, a escola deixa de fazer sentido e sai com o 9º ano. Ficar em casa não era uma opção e decide trabalhar numa das fábricas têxteis da zona industrial. No entanto, com 18 anos, a jovem procura outros horizontes, empregando-se numa loja da vila. Até que conhece Paulo Ferreira, natural de Viseu, com quem começa a namorar. Um ano e meio depois, casam e abrem um restaurante em Vouzela. Cinco anos depois, dão por terminada essa experiência. “O nosso estabelecimento funcionava bem. Mas o meu marido estava habituado a vida citadina, e mesmo após meia década, não conseguiu adaptar-se a um meio pequeno. Optamos então por ir viver para Viseu”, conta Anabela. Aí, dá-se a verdadeira viragem. A vinda para a cidade traz-lhe uma nova oportunidade profissional. “Mudei a minha vida por completo. Uma amiga dentista incentivou-me a tirar o curso de Assistente de Medicina Dentária. Gostei da ideia e assim fiz. Estudei e empreguei-me logo”, revela orgulhosa por se sentir realizada à nível profissional e por actualmente trabalhar na clínica do Dr. Fausto. Após alguns anos e uma vida profissional estável, nasce o único filho do casal: Gonçalo, hoje com 9 anos. Tudo corria de feição e nada fazia prever o que viria pela frente na vida de uma mulher com 32 anos.
Uma manhã, ao fazer a apalpação manual debaixo do duche, descobre um caroço. “Eu notava qualquer coisa e achava que não era nada. Mas por via das dúvidas, fui ao médico, fiz exames e análises”. Em Viseu, os médicos asseguram-lhe que ela está bem e que as suas preocupações são infundadas. “Afirmavam que eu era muito nova e que como não tinha casos na família, que seria tudo coisas da minha cabeça”, realça. Contudo, a ideia vai martelando a sua mente e dirige-se a um médico particular, onde acaba por tirar os nódulos. E qual não é o seu espanto, quando recebe os resultados! Carcinomas evasivos com altos e baixos! “A partir daí, fui à luta. Em Viseu, mudaram logo de discurso, já me queriam fazer tudo e mais alguma coisa. Depois de 6 meses a iludirem-me, recusei. Fui à Clínica dos Montes Claros, à Coimbra, onde fui cuidadosamente atendida. O médico viveu intensamente o meu problema. Foi tão real, ouvi um sermão, pois não devia sequer ter mexido nos nódulos e ainda me disse que não era a minha saúde que estava em perigo, mas a minha vida”, relata.




Cancro da Mama
(Imagem retirada da Internet)

Assustada e consciencializada, a jovem segue em frente para: 4 sessões de quimioterapia, uma operação – mastectomia radical do peito esquerdo e mais 4 sessões. A quimioterapia foi um processo difícil no qual contou com o apoio constante do marido e dos amigos. E como reagiu o filho? “Normalmente. Sempre lhe contei a verdade e expliquei-lhe cada passo. Após a primeira sessão de quimio, senti o cabelo a cair. Fazia-me mal ver o cabelo aos montes na almofada, então quis rapá-lo. Nesse dia, antes mesmo de ir para Coimbra, falei com o Gonçalo para ele não se assustar quando me visse chegar a casa. Ele sabia que uma das consequências do tratamento era a queda de cabelo. Quando entrei em casa, estava com uma peruca, ansiosa pela sua reacção. Ele viu-me com e sem e fiquei tão feliz quando gritou «Mãe, estás tão gira»”, descreve emocionada. A partir desse momento, deixa os preconceitos de lado e passa a andar ao “natural” dentro de casa e no seio dos amigos. No ambiente profissional, usa peruca por achar ser a atitude mais correcta. “Como nunca deixei de trabalhar, achei que no consultório, iria ser constantemente observada. Com a peruca de cabelos naturais, isso não iria acontecer e assim fiz”.
Anabela nunca baixou os braços, prova disso é ter mantido as suas rotinas intactas, com energia e boa disposição. “Se antes de saber da doença, já gostava de mim. Depois, passei a gostar ainda mais. Até ia ao cabeleireiro, só para lavar a peruca. Mimava-me com esses momentos pessoais, tal como antes. Fazia-me bem psicologicamente”, adianta. Claro que como qualquer mulher numa situação destas, tinha alturas de tristeza, mas não dramatizava e lembrava-se de que “se tivesse bem, todos estariam; se chorasse, todos chorariam”.
Entretanto, no fim da operação e de todos os tratamentos, vem a fase da recuperação…

7 comentários:

Helena Teixeira disse...

Este é o bonito comentário da nossa Amiga Fátima sobre a entrevista da Anabela.Pu-lo aqui porque estava mais abaixo.Obrigada Fátima por ser uma querida e deixar-nos essas sábias palavras.

Leiam:

Olá Beirãs.

Já li a entrevista da Anabela Ferreira.

Foi simplesmente fascinante o testemunho que ela nos deixou,sendo tão nova,e já com esse monstro chamado "carcinoma".
Tambem mostrou que vale a pena lutar,isso fortalece-nos,e tudo mais que vier aqui estamos prontas para lhe dar combate.

Boa sorte Anabela,para si e todas as que passam por isto.
Estive uns dias sem internet,mas já volto ao vosso convivio.

E já agora uma saudação muito especial á Leninha,já vi que deve ter um coração do tamanho do mundo.
Agora já é tarde,mas amanhã vou tentar arranjar um tempinho para lhe mandar e-mail directo,pode ser?

Saudações para todas.
Beij Fátima

Obrigada também menina Fátima pelos seus elogios.O meu coração ficou aos saltinhos :)
Já vi o seu mail e respondi.
Jocas gordas
Lena

amitaf disse...

LINDO...LINDO!!!!

Obrigada Leninha,pelo seu elogio.
Tenho uma filha a viver na Suiça,e disse-lhe que andava a seguir este blog.

Á pouco mandou e-mail e disse-me que eu tenho aqui, (como se costuma dizer em português)"Pano para mangas" Disse-me que há aqui gente que precisa de muito apoio,e que eu estou em boas condições para o fazer, visto que, como algumas mulheres aqui,tenho-me saído vencedora.

Tal como a Leninha aqui me disse,a minha filha disse-me o mesmo,há ainda muita VIDA pela nossa frente.

Na 5a feira fui fazer os exames de rotina no IPO do Porto,e no que toca ao problema que tive,está TUDO BEM.
Já passaram 4 anos.

Já vi o seu e-mail,peço desculpa não ter ainda respondido,mas preferi dar-lhe resposta aqui,assim outras senhoras podem ver a amabilidade da Menina,que continuo a dizer:
Deve ser o orgulho dos que convivem consigo.

Um beijinho muito GRANDE a todas as Lenas, Anabelas,Fátimas,Marias de.....

E mais uma vez o meu Muito obrigada
Fátima

Helena Teixeira disse...

Olá Fátima!
Fico contente por saber que está tudo bem consigo.Vê,tens motivos para se alegrar.Dia 11 é São Martinho.Festeje: castanhas e jeropiga :)

Jocas gordas
Lena

amitaf disse...

Olá a todas.

Muito bem,já comi as castanhas,tambem tenho a jeropiga,mas nem me lembrei.

Por isso aqui deixo tambem,os meus votos de um bom S. Martinho a todas,e vamos viver a vida o melhor possível.

E embora seja esta uma frase "feita"

"SÓ SE VIVE UMA VEZ"

Então vamos lá vivê-la.

Beijinhos a todas e em especial á Leninha.
Fátima

Helena Teixeira disse...

Olá Fátima!
Obrigada :) Bom S. Martinho também para si e para todas as meninas que nos comentam e leem.
Hoje,vou festejar o S. Martinho com 1 lasanha especial em casa de uma amiga...ui ui estou ansiosa :)
E jeropiga,espero que nao falte...

Jocas gordas
Lena

Mestre disse...

Olá a Todas e a Todos!

Pela primeira vez comento este blogue: Parabéns por este bom exemplo de luta, de coragem e de vitória!

Para a Anabela felicito-a pela sua força e por querer partilhar com todos o seu testemunho e experiência.

1 abraço!

amitaf disse...

Hoje eu estou muito triste.

Se calhar nem devia fazer comentário nenhum,mas....
Apetece-me desabafar o que me vai na alma.

Tenho tido problemas cardíacos,ando a fazer vários exames.

Mas a minha tristeza maior é que um irmão muito querido,está muito mal,até já me deram a notícia de "FASE TERMINAL"mas como sou uma mulher de fé,e enquanto há vida há esperança,ainda não "aceito" que Deus me perdoe.

A vida é muito complicada,e por vezes muito triste.

Peço desculpa pelo meu desabafo,mas quiz partilhar a minha tristeza,mas quem sabe se não voltarei aqui a partilhar a alegria de o voltar a ver, (está em Lisboa,e eu estou no Porto)pelo menos com alguma ????saúde.

Mais uma vez as minhas desculpas,acho que aqui temos é de partilhar alegrias,mas como estou triste,a escrever parece que fico mais "aliviada".
Obrigada por me lerem.

Beijinhos ás queridas Beirãs.

Fátima